Internetsul, junto a associações nacionais e regionais, debatem momento crítico do país e papel da Internet no enfrentamento da crise
1 de Abril de 2020
Provedores de Internet alertam que não conseguem funcionar sem pagamento
17 de Abril de 2020

Nesta sexta-feira (9/4), o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, abre para o Rio Grande do Sul as inscrições para o programa Rede Conectada, que permitirá a provedores regionais fornecerem internet para milhares de unidades básicas de saúde (UBS) em todo o país. Segundo dados do MCTIC, cerca de 16 mil unidades serão contempladas pelo programa, e auxiliarão em trabalhos de telemedicina durante o período de combate à pandemia do novo Coronavírus.

Para falar sobre o assunto e esclarecer os provedores gaúchos sobre o processo de inscrição e seleção para o programa, a InternetSul realizou uma reunião online nesta quinta-feira (9/4), contando com a presença do Lacnic, diretores da entidade e especialistas da área jurídica.

“O programa do MCTIC começou com cerca de 50 mil pontos a serem atendidos em todo o país, mas depois de uma malha fina, foi constatado que cerca de 16 mil pontos necessitam do atendimento dos provedores. Segundo um levantamento feito pelas entidades do setor, notamos que praticamente todos estes pontos podem ser bem atendidos pelo ecossistema de pequenos provedores em todo o território nacional”, apontou Evandro Varonil, diretor do Lacnic.

Segundo o empresário, o programa é uma oportunidade de elevar o perfil de muitos provedores, que participarão de um processo de seleção federal, mas sem as complexidades de uma licitação tradicional. Embora tenha uma dinâmica mais simplificada, em função da necessidade de ser um processo mais rápido para a entrega de conectividade, o edital e seleção é responsabilidade da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), empresa responsável por vários processos licitatórios do MCTIC.

Para o presidente da InternetSul, Ivonei Lopes, a participação do MCTIC neste processo chegou a intimidar no começo, devido à pouca experiência de muitos ISPs em questões licitatórias. Entretanto, este é momento de se preparar e mostrar capacidade.

“Em maioria, somos empresas de atuação municipal e regional: nossa postura é de logo partir para a ação e levar conectividade a quem precisa, pois entendemos a importância da conectividade e telemedicina em um momento como o atual. Com este programa, ficamos um pouco receosos, pois provedor tem no máximo conhecimento de um processo licitatório para um município. Por isso, neste momento precisamos dar o suporte para ajudar o pequeno provedor a participar deste trabalho importante”, avalia Ivonei.

Um consenso entre todos, é que a preparação fará a diferença para os provedores que desejam se destacar nesta seleção. Segundo a diretora jurídica da InternetSul, Andrea Abreu Fattori, quem se adiantar para levantar as informações, documentos, realizar o cadastro, saber quais são as unidades que poderá atender, qual a tecnologia e o preço a ser oferecido, terá vantagem.

“Por ser um processo privado, no âmbito da Organização Social RNP, de andamento mais célere e menos rigoroso, não há tantas exigências a serem cumpridas como em uma licitação pública. Mesmo assim, é preciso fazer o tema de casa para chegar de forma competitiva e ter maiores chances de ser escolhido”, aponta Andrea.

Segundo o edital publicado pela RNP, o serviço pode ser entregue via rádio, satélite ou fibra, e tem exigências mínimas e ideais de velocidade, disponibilização de Wi-Fi de acordo com o número de equipes que trabalham em casa unidades. O programa prevê um contrato de doze meses de fornecimento de internet, com os quatro primeiros meses isentos de pagamento.

“Todos estes detalhes devem ser observados pelo provedor ao fazer a sua proposta, já que isso conta como pontos de desempate na hora da escolha do fornecedor. Caso seja escolhido, o provedor também tem a responsabilidade de prestar contas sobre a qualidade da internet entregue, sob risco de multa caso não cumpra com a velocidade prometida”, salienta a advogada Rafaela Rodrigues.

Para Alexandro Schuck, diretor da InternetSul na região Serra, saber os detalhes sobre a duração e os custos do contrato é importante para definir uma precificação adequada. “O equilíbrio fino entre responsabilidade social e oportunidade de negócios é fundamental para participar neste movimento de responsabilidade social, mas também para garantir a qualidade de nosso serviço que vamos entregar”, ressalta.

O prazo para a submissão das propostas dos provedores do RS começa nesta sexta-feira (09/04) e termina no sábado (10/04). Portanto, para Ivonei Lopes, os provedores que desejam participar não têm mais tempo para perder – o link para acessar o portal de chamada da RNP é este: https://www.rnp.br/sistema-rnp/fornecedores.

“Vivemos um momento em que temos a oportunidade de participar de um projeto grandioso, que pode abrir portas e levar o reconhecimento do segmento de ISPs a um outro patamar. Chegou a hora de provarmos que somos capazes e organizados para fazer essa diferença, pois do ponto de vista prático, somos mais do que capacitados para suprir essa demanda. É hora de deixarmos um legado”, finaliza Ivonei.

X