Ministério da Economia apoia busca por mais crédito para o setor de Internet
10 de dezembro de 2020
Protagonistas do combate à pirataria no Brasil pedem apoio das empresas de internet
11 de dezembro de 2020

A pandemia da Covid-19 acelerou a transição dos mercados para a nova economia, a nova sociedade e os novos modelos de comunicação e atuação do Século XXI.

A conclusão é do secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Luís Lamb, que palestrou neste primeiro dia do Fórum Líderes da Internet Brasil, realizado pela InternetSul.

Segundo ele, a sociedade atual lida com valores intangíveis, como o conhecimento, havendo uma mudança de paradigma no que registra a riqueza das empresas e nações.

“Ao longo da década de 2000, vimos marcos surgirem, como, em 2006, o pré-sal, que trouxe o potencial de acelerar a matriz econômica brasileira, e, em 2007, o lançamento do iPhone, um ícone entre os smartphones, bem como outras inovações que foram trazendo, de lá para cá, muitas empresas de ativos intangíveis para os holofotes. É uma nova forma de mensurar riqueza, e o setor de TIC e de Internet tiveram alta participação nisso”, comentou Lamb.

Nos últimos trinta anos, pontuou o secretário, a chamada Economia da Internet mudou hábitos culturais e a noção de valor econômico, gerando novos cargos, novas atividades, e muitas novas possibilidades.

“Os tempos, ao longo de todos estes anos, bem como no tempo atual, sempre foram e são de quem vê crise como oportunidade. Hoje, temos bilhões de pessoas conectadas, e isso transformou o setor de serviços, o comércio e inúmeras outras atividades. Quem não tem presença digital é praticamente uma organização que não está vivendo o Século XXI”, enfatizou Lamb.

Para ele, a Internet é uma tecnologia pervasiva, transversal, que atravessa segmentos do agro ao aeroespacial, passando pelo industrial, bancário, entretenimento, educação, entre outros, e tudo isso pode ser ainda potencializado pelo impacto da Inteligência Artificial, que ele defende como “uma tecnologia que lida de forma mais eficiente com dados, estes cada vez mais abundantes e estratégicos para empresas, países e economias”.

Para fomento da inovação no RS e no Brasil, ele cita alguns projetos da SICT-RS, como o Inova.RS, que se baseia em quatro pilares: Sociedade Civil, Empresas, Academia e Governo.

Para o desenvolvimento das iniciativas do projeto, o Estado foi dividido em 8 regiões, onde são realizados eventos e negociações, além de parcerias entre empresas, universidades e governo, para fomento de atividades ligadas à inovação.

“Dentre estas, podemos enfatizar parcerias realizadas junto a associados da InternetSul, como na região da Serra, em Garibaldi-RS”, ressaltou, ao longo da palestra, o conselheiro da InternetSul e cerimonialista do evento, Fabiano Vergani.

A parceria mencionada entra no leque do ConectaRS, uma ação voltada a fortalecer e utilizar a rede pública/privada de fibra óptica para prover acesso de Internet de alto desempenho a escolas públicas gaúchas.

O secretário destaca que, dentro do guarda-chuva do Inova.RS e seus programas adjacentes, o intuito é descobrir soluções regionais, municipais, que auxiliem o Estado a avançar em tecnologia, inteligência artificial, conexão, formação de talentos para a transformação digital.

Para tanto, há outras ações em andamento, como parcerias com a RNP, com a CEEE para utilização da rede elétrica no fomento à iluminação das escolas gaúchas com fibra óptica, e o edital Techfuturo, que prevê a integração entre tecnologias emergentes e setores econômicos do RS.

“Tudo isso são alavancas para os setores e para toda a economia”, ressaltou Lamb. “Em 2021, um novo edital será lançado, é bom que as empresas fiquem atentas par projetos na área de TICs”, complementou.

A SICT-RS também tem atuado na atualização da Lei Gaúcha de Inovação, que reformula a antiga lei de 2009, criando novos mecanismos para facilitar a inovação no RS, bem como no Startup Lab, projeto voltado ao fortalecimento do ecossistema de startups focadas na chamada Nova Economia.

Outra ação é o Educar para Inovar, que visa a desenvolver a educação inovadora e empreendedora no Estado, por meio da formação de professores e multiplicadores nestas áreas.

Há, ainda, a linha de fomento Produtos Premium, pensada para dar destaque nacional e internacional a itens em que o RS se destaque, não somente na tecnologia, mas também em setores como o agro. Por isso, a iniciativa envolve parcerias com as secretarias de Desenvolvimento Econômico e Agricultura.

X